Deixa eu te contar … com Erika Onuma

“Reading Bag: enfoque sobre a multiculturalidade e multilingüismo.”

Meu nome é Erika Onuma e sou natural de São Paulo, capital. Moro na cidade de São Francisco, Califórnia há quatorze anos.  São Francisco, ou a região mais conhecida como San Francisco Bay Area, que também inclui o Vale do Silício, é uma das regiões mais multiculturais dos EUA, com pessoas de diversas origens e nacionalidades. A multiculturalidade e multilingüismo já fazem parte do DNA que compõe a cidade e a região, e este DNA se reflete na fisionomia das pessoas, nas decisões políticas, na culinária e cultura.

Conheço pessoas de etnias mistas das mais exóticas nesta região: filha de pai mexicano com mãe polinésia, filha de mãe chinesa com pai paquistanês, pai francês com mãe japonesa, pai turco com mãe americana, pai indiano com mãe japonesa, etc… E muitas crianças mestiças falam duas, três ou até quatro línguas.

Por uma iniciativa de pais e professores, muitas escolas públicas em São Francisco oferecem aulas de línguas com professores nativos de segunda à sexta, desde o primeiro ano de kindergarten (para crianças que tem cinco anos no ano letivo). Há escolas públicas que ensinam cantonês, mandarim, italiano, espanhol, coreano e japonês como segunda língua. Em algumas escolas públicas, o ensino é de imersão, as matérias são dadas não em inglês, mas em cantonês, mandarim ou coreano.

Tenho um filho de treze anos que está estudando japonês como segunda língua numa escola pública desde o kindergarten, e está aprendendo português comigo. Ser multicultural faz parte do universo dele, pois ele  mestiço de mãe nipo-brasileira e pai americano, porém o desafio para aprender as duas línguas é grande: como o pai só fala inglês, ele pratica o português e o japonês comigo. Tenho tentado estabelecer dias quando só falo japonês, e em outros somente português, mas quando estamos com outras pessoas que não falam nenhuma dessas duas línguas, temos que falar em inglês, ou seja, a frequência com que ele pratica essas duas línguas comigo não é consistente. Para que ele seja fluente, NÓS dois temos que nos esforçar muito mais, achar a melhor forma e persistir!

Mas uma coisa é certa: falar várias línguas só traz vantagens em todas as áreas da vida, mas principalmente na área profissional. Eu mesma falo português, japonês, inglês e espanhol fluentemente, e este foi o grande diferencial em conseguir emprego aqui, mesmo não tendo nenhuma experiência profissional nos EUA. Havia outros candidatos que falavam três línguas, mas quatro foi imbatível!

Erika é natural de São Paulo, capital, mora em São Francisco, Califórnia, há quatorze anos. Já morou em Tóquio e Caracas. Trabalha com marketing para América Latina em uma empresa de videogames. Em dias livres, pratica ioga e adora cantar. É uma das vocalistas de uma banda de música formada por pais e mães, cujo repertório é rock, pop americano e música latina, incluindo a nossa bossa nova.

Deixe Seu Comentário